O que é o coma?


A palavra coma vem da palavra grega koma, que significa "estado de dormir." Mas estar em coma não é o mesmo que estar dormindo. Você pode acordar uma pessoa que está dormindo falando com ela ou encostando nela. O mesmo não é verdadeiro para o paciente em coma, que está viva e respira, mas tão inconscientemente que não pode responder a qualquer estímulo (como dor ou o som de uma voz) ou fazer nenhum movimento voluntário. O cérebro ainda está funcionando, mas em seu nível mais básico. Para entender isso, antes precisamos rever as partes do cérebro e como elas funcionam







O cérebro é formado de três partes principais: o cérebro , o cerebelo e otronco cerebral. O cérebro controla funções cognitivas e sensoriais como a inteligência, memória, razão e emoções. O cerebelo, na parte de trás do cérebro, controla o equilíbrio e o movimento. O tronco cerebral conecta os dois hemisférios cerebrais com a medula espinhal. Ele controla a respiração, pressão arterial, ciclos do sono, consciência e outras funções orgânicas. Além disso, há uma grande massa de neurônios embaixo do cérebro chamadatálamo. Essa área pequena, porém crítica, envia impulsos sensoriais para o córtex cerebral. Para uma explicação mais detalhada da função do cérebro, veja Como funciona o cérebro.






Os cientistas acreditam que a consciência depende da constante transmissão de sinais químicos do tronco cerebral e tálamo para o cérebro. Estas áreas estão conectadas por caminhos neurais chamados Substância Reticular Ativada. Qualquer interrupção nestas mensagens pode colocar a pessoa em um estado alterado de consciência.

O estado vegetativo é um tipo de coma em que o paciente está acordado mas não reage aos estímulos. Geralmente, quem se encontra neste estado são pessoas que estavam em coma e depois de alguns dias ou semanas saem do coma e permanecem num estado inconsciente no qual seus olhos ficam abertos, dando a impressão de que estão acordados. Pacientes assim podem ter comportamentos que levam os membros da família a acreditarem que estão ficando acordados e comunicativos. Estes comportamentos podem incluir resmungos, bocejos e movimentos da cabeça e membros. Entretanto, eles não respondem a qualquer estímulo interno ou externo e as evidências de danos cerebrais extensivos ainda persistem. A evolução dos pacientes nos quais um estado vegetativo dura um mês ou mais é geralmente pequena, e os médicos usam o termo estado vegetativo persistente.



Outros estados de consciência



Um paciente em estado profundo de coma vai mostrar um pouco de eletroatividade no EEG; um paciente em morte cerebral não mostra
  • Catatonia - as pessoas neste estado não se movem ou falam, e tendem a não fazer contato visual com os outros. Pode ser um sintoma de distúrbios psiquiátricos como a esquizofrenia.
  • Estupor - o paciente pode ser acordado somente por estímulo vigoroso, acompanhado por comportamento motor que leva a contenção de estímulo desconfortável ou exacerbado.
  • Sonolência - simula um sono leve, caracterizado por despertar fácil e períodos de vigilância.
  • Síndrome do enclausuramento - as pessoas com esta condição neurológica rara são capazes de pensar e raciocinar, mas estão completamente paralisados com exceção de abrir e fechar os olhos (o que eles, às vezes, usam como meio de comunicação). Derrames ou outras doenças que lesam o tronco cerebral, mas não o cérebro, podem causar esta síndrome.
  • Morte cerebral - as pessoas nessa condição não mostram sinais de função cerebral. Apesar de seucoração ainda bater, elas não podem pensar, se mover, respirar ou fazer qualquer função orgânica. Uma pessoa declarada "em morte cerebral" não consegue responder à dor, respirar sem aparelhos ou digerir comida. Legalmente o paciente é declarado morto e o desejo dele ou da familia com relação adoação de órgãos pode ser considerado. Para saber mais sobre a morte cerebral, veja Como funciona a morte cerebral.







1 comentários:

Ministério at: 28 de fevereiro de 2011 13:42 disse...

Olá, blogueiro (a),

Salvar vidas por meio da palavra. Isso é possível.

Participe da Campanha Nacional de Doação de Órgãos. Divulgue a importância do ato de doar. Para ser doador de órgãos, basta conversar com sua família e deixar clara a sua vontade. Não é preciso deixar nada por escrito, em nenhum documento.

Acesse http://bit.ly/cMyN1F e saiba mais.

Para obter material de divulgação, entre em contato com comunicacao@saude.gov.br

Atenciosamente,

Ministério da Saúde
Siga-nos no Twitter: www.twitter.com/minsaude